Dia de Poesia – Mario Quintana – A rua dos cataventos

Da primeira vez em que me assassinaram

Perdi um jeito de sorrir que eu tinha.

Depois, a cada vez que me mataram

Foram levando qualquer coisa minha.

 

 Hoje, dos meus cadáveres eu sou

O mais desnudo, o que não tem mais nada.

Arde um todo de vela amarelada,

Como único bem que me ficou.

 

Vinde! Corvos, chacais, ladrões de estrada!

Pois dessa mão avaramente adunca

Não haverão de arrancar a luz sagrada!

 

Aves da noite! Asas do horror! Voejai!

Que a luz trêmula e triste como um ai,

A luz de morto não se apaga nunca!

Nova poesia

Quando você pensa já ter visto de tudo, lido todas as formas de poesia, vem mais surpresa.

Há alguns meses Ana Maria Tourinho com seu “Desfolhando Aldravias”, colocou-me frente a essa nova forma de poesia, inovação trazida por Andreia Donadon Leal. De imediato eu me apaixonei. E tornei-me, eu também, aldravista.

Agora, quando a aldravia já estava incorporada no meu cotidiano de poeta, Andreia Donadon Leal surge com outra novidade – a “Quinta”.

Variante da Quintanilha, a Quinta – poema autônomo de uma estrofe composta por cinco versos, com rima obrigatória do 2º com o 5º, e formada por nove palavras. Os quatro primeiros versos com duas palavras e o quinto contendo apenas uma, a qual rima com a segunda. Complicadinho, não?

Mas delicioso de escrever, tal como a aldravia.

Necessário ter nexo e poesia. Não apenas palavras soltas, jogadas no papel ou na tela. A poesia é a essência da Quinta.

Estreei hoje no grupo de quintanistas, com três Quintas.

Vamos praticando…

Nº 03

sem perfume

colhida flor

fenece triste

igual velho

       amor

Eu sei, mas não devia – Marina Colasanti

Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.
A gente se acostuma a morar em apartamento de fundos
e a não ter outra vista que não seja as janelas ao redor.

E porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora.
E porque não olha para fora logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas.
E porque não abre as cortinas logo se acostuma acender mais cedo a luz.
E a medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.

A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na hora.
A tomar café correndo porque está atrasado.
A ler jornal no ônibus porque não pode perder tempo da viagem.
A comer sanduíche porque não dá pra almoçar.
A sair do trabalho porque já é noite.
A cochilar no ônibus porque está cansado.
A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.

A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra.
E aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja número para os mortos.
E aceitando os números aceita não acreditar nas negociações de paz,
aceita ler todo dia da guerra, dos números, da longa duração.

A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje não posso ir.
A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta.
A ser ignorado quando precisava tanto ser visto.
A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que necessita.
A lutar para ganhar o dinheiro com que pagar.

E a ganhar menos do que precisa.
E a fazer filas para pagar.
E a pagar mais do que as coisas valem.
E a saber que cada vez pagará mais.
E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas que se cobra.

A gente se acostuma a andar na rua e a ver cartazes.
A abrir as revistas e a ver anúncios.
A ligar a televisão e a ver comerciais.
A ir ao cinema e engolir publicidade.
A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos.
A gente se acostuma à poluição.

As salas fechadas de ar condicionado e cheiro de cigarro.
A luz artificial de ligeiro tremor.
Ao choque que os olhos levam na luz natural.
Às bactérias da água potável.
A contaminação da água do mar.
A lenta morte dos rios.

Se acostuma a não ouvir o passarinho, a não ter galo de madrugada, a temer a hidrofobia dos cães,
a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta.
A gente se acostuma a coisas demais para não sofrer.

Em doses pequenas, tentando não perceber, vai se afastando uma dor aqui,
um ressentimento ali, uma revolta acolá.
Se o cinema está cheio a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço.
Se a praia está contaminada a gente só molha os pés e sua no resto do corpo.

Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana.
E se no fim de semana não há muito o que fazer a gente vai dormir cedo
e ainda fica satisfeito porque tem sempre sono atrasado.

A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele.
Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se
da faca e da baioneta, para poupar o peito.
A gente se acostuma para poupar a vida que aos poucos se gasta e, que gasta,
de tanto acostumar, se perde de si mesma.

 

Dia de poesia – David Mourão Ferreira – E por vezes

 

 

E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos
E por vezes os braços que apertamos
nunca mais são os mesmos    E por vezes

encontramos de nós em poucos meses
o que a noite nos fez em muitos anos
E por vezes fingimos que lembramos
E por vezes lembramos que por vezes

ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites – não dos meses
lá no fundo dos copos encontramos

E por vezes sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes ah por vezes
num segundo se evolam tantos anos

Evolução

Aqui estamos, no – 10º – décimo dia do novo ano. Que já começa a amadurecer.

Acabou a profusão de abraços de tamanduá, sorrisos amarelos e votos falsos de felicidade.

Todos, agora, nas filas dos bancos pagando ipva, iptu, e outros iii.

A abundância agora é de boletos e contas a pagar.

E sobra muito mês no fim dos salários.

Mas insistimos. Temos carros, casas, um monte de coisas absolutamente dispensáveis mas não nos imaginamos vivendo sem elas… e paga-se caro para ter.

Ter. O verbo dominante desde os anos 80.

A ordem do dia é ter coisas. Possuir pessoas. Amar somente as coisas.

E, a partir dessa mesma época, iniciou-se a cultura do descartável.

Desde absorventes e fraldas até utensílios de cozinha.

De repente, estendemos a utilidade dos descartáveis para as pessoas.

Esposas, em especial, se tornaram totalmente descartáveis na segunda metade do século passado. Depois maridos. E agora até filhos.

Com um diferencial – antes eram abandonados e agora são simplesmente assassinados.

Aberta, assim, há uns vinte anos, a temporada de caça às mulheres.

Mas, em razão das ideias de igualdade entre os sexos, as mulheres também matam. Nem vou entrar na teoria lombrosiana porque discordo de suas conclusões, fruto de ideias e não de vivência.

Não há intenção de se assassinar somente familiares.

Hoje em dia há uma desesperada tentativa de se eliminar definitivamente a família tradicional da sociedade.

Estamos vivendo em um mundo virado do lado do avesso e as pessoas estão se acostumando com o avesso da vida. E aceitam. E toleram. E morrem.

Resta uma indagação, somente: “o que ainda está por vir?”

Recordações

Já dizia a canção que “recordar é viver”… 

Com toda razão.

Remexendo antigos papéis, encontro um caderno de poesias feito pela minha amiga Raquel. Comecei a reler poesia por poesia.

Dentre elas, uma que sempre “me inspirou”, da qual não sei o título e desconheço a autoria. Mas trouxe-me de volta à memória o tempo de colégio, quando – Raquel e eu – líamos todos os livros que conseguíamos (e não eram poucos, líamos vorazmente), líamos poesias, copiávamos aquelas que mais nos agradavam. E com toda essa recordação veio a saudade.

Saudade de um tempo que jamais voltará, da amiga hoje distanciada, da leveza dos tempos de adolescentes. A nostalgia por ver que tudo passou, ficou no tempo… Mas o amor pela leitura e em especial pela poesia não acabou. Esse a tudo resiste.

Deixo, aqui, esse texto para dividir com vocês:

 

“Dos restos de um amor igual ao nosso

Não pode uma amizade florescer,

É justo que tu o queixes, não o posso

Depois de tanto amar-te, apenas te querer

 

Embora terminássemos sem briga,

Sem um gesto ou palavra de rancor

Como posso chamar-te meu amigo,

Se já te chamei de meu amor?

 

Como posso apertar indiferente,

Sem sentir uma forte emoção

As mãos que apertei apaixonadamente,

As mãos que esmaguei em minhas mãos?”

E quando você quase desistir do amor, alguém virá e fará você acreditar de novo

Passados quase dois anos que li, acho que ainda é atual e merece ser compartilhado:

Eu não estou falando de enganos, de mentiras e de falsas promessas.

Estou falando de alguém que virá para lhe mostrar como é bom se sentir amada(o).

Aquela sensação de alguém lhe querer por inteiro e achar linda a sua risada. Eu sei que você quase desistiu do amor e talvez tenha até desistido. Pode ser que você tenha se ferido muito e acreditado que o tal amor não é para você.

Mas quando estamos cansados de conhecer pessoas, famílias e de achar que “agora é para valer” vem alguém e doma os nossos medos e nos faz acreditar que vale a pena tentar de novo, mesmo com medo, mesmo recuando e dando desculpas esse alguém sabe exatamente o que quer: você.

E sabe? Por querer tanto você esse alguém não desistirá no primeiro impasse, mas vai ignorar suas desculpas e fazer de tudo para ficar ao seu lado.

Quando menos se espera vem alguém e muda os nossos rumos, faz com que a gente queira sonhar novamente e nos mostra que a vida é muito mais do que amores frustrados.

Alguém que faz você perder a noção de tempo, que faz a madrugada virar rotina de conversa e mesmo você sendo tão sonolenta nunca pega no sono quando o assunto é esse alguém. E mesmo depois de tanto choro e de tanta dor, mesmo você quase desistindo do amor esse alguém virá não com espinhos, mas com flor, para lhe mostrar que a beleza dessa vida não faz sentido se não houver amor.

Esse alguém virá para lhe mostrar que carinho é sempre bom e que você não merece nada menos do que alguém inteiro.

Você entenderá o porquê de tantos erros e de tantos tombos nesse tal do amor. Porque quando você quase desistir, virá alguém para abalar com toda a sua rigidez. Alguém que fará seu corpo balançar apenas com um toque.

Quando menos se espera, alguém aparece e nos mostra que nunca fomos amados da maneira que merecíamos.

(Thamilly Rozendo   25 de fevereiro de 2018)