Inferno

Lasciate ogni speranza voi ch’entrate

Diz o grande poeta Dante Aligheri que esta frase está na entrada do inferno – “Abandone toda a esperança vós que entrais aqui”. Não sei se o inferno tem entrada, muito menos se na entrada tem placa. Nem pretendo conferir.

Mas não nego que essa frase é instigante.

Sou movida a esperança. Esperança + perseverança = minha caraterística mais forte.

Poucas vezes desisti de algo. E não é bem desistir. Sou enxadrista. Às vezes chegamos em um ponto que a única saída é deitar o rei. Mas antes todas as tentativas foram feitas, todas as estratégias aplicadas.

Aí diz o Poeta: abandonai toda a esperança… Por que? Talvez porque ele pense que o inferno só tem a porta de entrada. Talvez porque ele vivia em algum inferno e não via saída.

O inferno não é no subsolo da vida nem da morte. O inferno é aqui.

Há pessoas que se especializam em tornar a vida dos outros um inferno particular. E há pessoas que permitem que outras tornem sua vida um inferno.

Aí tem mesmo de abandonar toda esperança se não tiver coragem para romper esse círculo vicioso de dominação.

Mas quem não desiste sabe que até no inferno há de ter uma porta de saída. Uma forma de se livrar das correntes que o prendem lá.

Esse inferno, que acontece nesta vida, e acredito ser o pior de todos, tem sim, uma porta de saída.

E uma palavra mágica que abre essa porta: “BASTA”. É só dizê-la.

E não desistir antes e perder a esperança.

(Imagem do banco de imagens Google)

Dia de poesia – Cecília Meireles – Canção Excêntrica

Calidoscópio #7 | jornadas2015ebpsp

Ando à procura de espaço

para o desenho da vida.

Em números me embaraço

e perco sempre a medida.

Se penso encontrar saída,

em vez de abrir um compasso,

Protejo-me num abraço

e gero uma despedida.

Se volto sobre o meu passo,

é já distância perdida.

Meu coração, coisa de aço,

começa a achar um cansaço

esta procura de espaço

para o desenho da vida.

Já por exausta e descrida

não me animo a um breve traço:

– a saudosa do que não faço,

– do que faço, arrependida

(Imagem: banco de imagens Google)

Diálogo

Qué es… y qué tan poderoso es el amor…? – SALUD primero … y amor

Quem é você?

Eu sou a Paixão.

Onde você mora?

Na alma dos homens.

Com quem você vive?

Hoje eu vivo sozinha, mas antes eu vivia com o Amor. Um dia ele se foi, quando me viu com o Ciúmes. Conheci então a Tristeza, que me era mãe da Saudade. Esta me deixou a filha Lembrança, filha também do Encanto.

Quem são seus amigos?

Só tenho uma amiga – a Esperança, inimiga do Orgulho, que vive com a Angústia.

(Imagem – banco de imagens Google)

Dia de poesia – Sophia de Mello Breyner – Para atravessar contigo o deserto do mundo

Erosão eólica – Wikipédia, a enciclopédia livre

Para atravessar contigo o deserto do mundo
Para enfrentarmos juntos o terror da morte
Para ver a verdade para perder o medo
Ao lado dos teus passos caminhei

Por ti deixei meu reino meu segredo
Minha rápida noite meu silêncio
Minha pérola redonda e seu oriente
Meu espelho minha vida minha imagem
E abandonei os jardins do paraíso

Cá fora à luz sem véu do dia duro
Sem os espelhos vi que estava nua
E ao descampado se chamava tempo

Por isso com teus gestos me vestiste
E aprendi a viver em pleno vento

(Imagem de banco de imagens google)