Saudades



Sinto saudades de tudo que marcou a minha vida.
Quando vejo retratos, quando sinto cheiros,
quando escuto uma voz, quando me lembro do passado,
eu sinto saudades…

Sinto saudades de amigos que nunca mais vi,
de pessoas com quem não mais falei ou cruzei…

Sinto saudades da minha infância,
do meu primeiro amor, do meu segundo, do terceiro,
do penúltimo e daqueles que ainda vou ter, se Deus quiser…

Sinto saudades do presente,
que não aproveitei de todo,
lembrando do passado
e apostando no futuro…

Sinto saudades do futuro,
que se idealizado,
provavelmente não será do jeito que eu penso que vai ser…

Sinto saudades de quem me deixou e de quem eu deixei!
De quem disse que viria
e nem apareceu;
de quem apareceu correndo,
sem me conhecer direito,
de quem nunca vou ter a oportunidade de conhecer.

Sinto saudades dos que se foram e de quem não me despedi direito!

Daqueles que não tiveram
como me dizer adeus;
de gente que passou na calçada contrária da minha vida
e que só enxerguei de vislumbre!

Sinto saudades de coisas que tive
e de outras que não tive
mas quis muito ter!

Sinto saudades de coisas
que nem sei se existiram.

Sinto saudades de coisas sérias,
de coisas hilariantes,
de casos, de experiências…

Sinto saudades do cachorrinho que eu tive um dia
e que me amava fielmente, como só os cães são capazes de fazer!

Sinto saudades dos livros que li e que me fizeram viajar!

Sinto saudades dos discos que ouvi e que me fizeram sonhar,

Sinto saudades das coisas que vivi
e das que deixei passar,
sem curtir na totalidade.

Quantas vezes tenho vontade de encontrar não sei o que…
não sei onde…
para resgatar alguma coisa que nem sei o que é e nem onde perdi…

Vejo o mundo girando e penso que poderia estar sentindo saudades
Em japonês, em russo,
em italiano, em inglês…
mas que minha saudade,
por eu ter nascido no Brasil,
só fala português, embora, lá no fundo, possa ser poliglota.

Aliás, dizem que costuma-se usar sempre a língua pátria,
espontaneamente quando
estamos desesperados…
para contar dinheiro… fazer amor…
declarar sentimentos fortes…
seja lá em que lugar do mundo estejamos.

Eu acredito que um simples
“I miss you”
ou seja lá
como possamos traduzir saudade em outra língua,
nunca terá a mesma força e significado da nossa palavrinha.

Talvez não exprima corretamente
a imensa falta
que sentimos de coisas
ou pessoas queridas.

E é por isso que eu tenho mais saudades…
Porque encontrei uma palavra
para usar todas as vezes
em que sinto este aperto no peito,
meio nostálgico, meio gostoso,
mas que funciona melhor
do que um sinal vital
quando se quer falar de vida
e de sentimentos.

Ela é a prova inequívoca
de que somos sensíveis!
De que amamos muito
o que tivemos
e lamentamos as coisas boas
que perdemos ao longo da nossa existência…

(Nota: Embora a autoria seja normalmente atribuída a Clarice Lispector, na verdade o texto se trata de um híbrido, que combina elementos e excertos de Antônio Carlos Affonso dos Santos com outros, escritos por um autor desconhecido.)

Mar e Paixão

 

Escalando rochedos marítimos

Era um mar

Um grande e sereno mar

Um leve balanço

E uma imensidão

E era um rochedo

Ancorado no meio do mar

À espera de marinheiros incautos

Um porto ou um perigo?

Um descanso ou ameaça?

Um lugar para chegar

Ou de onde fugir?

E era um amor

Um grande e sereno amor

Uma promessa de calma

E uma esperança

E era uma paixão

Ancorada no meio da vida

À espera de amantes incautos

Um porto ou um perigo?

Um descanso ou ameaça?

Um lugar para chegar

Ou de onde fugir?

 

(Poesia classificado em 2º lugar no CONCURSO LITERÁRIO VIRTUAL RELÂMPAGO AJEB-RJ/ 2020)

Dia de poesia – Carlos Drummond de Andrade – Amor e seu tempo

POEMAS DO AMOR DESESPERADO | Gaveta do Ivo

Amor é privilégio de maduros
estendidos na mais estreita cama,
que se torna a mais larga e mais relvosa,
roçando, em cada poro, o céu do corpo.

É isto, amor: o ganho não previsto,
o prêmio subterrâneo e coruscante,
leitura de relâmpago cifrado,
que, decifrado, nada mais existe

valendo a pena e o preço do terrestre,
salvo o minuto de ouro no relógio
minúsculo, vibrando no crepúsculo.

Amor é o que se aprende no limite,
depois de se arquivar toda a ciência
herdada, ouvida. Amor começa tarde.

Dia de poesia – António Ramos Rosa – Não posso adiar o amor

Aurora Boreal: onde encontrar?
Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob as montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas

Não posso adiar este braço
que é uma arma de dois gumes amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração.

Dia de Poesia – Sílvia Schmidt – Tatuados

Quadro Artesanal Casal Deitado 70x100: Amazon.com.br: Casa

Hei de deitar-me um dia no teu leito,

Hei de te olhar nos olhos, a sorrir,

Hei de dizer – sem medo e sem fingir –

De quantos sonhos meu amor é feito

 

Tu me olharás, ardendo-te em desejo,

E atraíras meu corpo para o teu

Hei de sentir-te finalmente meu

Hás de sugar-me a alma com teu beijo

 

Nós perderemos a noção do tempo,

Nós ouviremos o soprar do vento,

Cantando nosso amor em prosa e verso

 

Seremos força viva no presente

Seremos água e sede eternamente,

Tatuados para sempre no universo

Para esquecer você

Amantes doces abraçam a silhueta - Baixar PNG/SVG Transparente

Um dia eu quis esquecer você…

Para tentar esquecer, comecei a lembrar

tudo aquilo que eu precisava esquecer.

Lembrei-me então desse seu olhar

que sempre me atravessava e enxergava

o que ninguém mais via em mim.

Esses olhos profundos, esse olhar firme

esse brilho de paixão que nenhum outro tem.

E então eu me lembrei do seu sorriso, tão meigo

tão amigo, animador. E lembrando agora essa boca

como não pensar naquele primeiro beijo

e na paixão que explodia como estrelas de fogo.

Para esquecer sua boca, pensei em seus braços,

em suas mãos, no abraço apertado em seu peito…

e me lembrei de noites de amor, de manhãs floridas

de tantas loucuras sonhadas, de verdades confessadas, 

de alguns segredos partilhados, de desejos realizados

de muitas risadas e até de algumas lágrimas…

e assim, ao tentar esquecer, mais e mais eu me lembrava

E senti saudade, muita saudade, de tudo que vivemos

Lembrando de você ao tentar esquecer, eu percebi

o quanto, para mim, você é inesquecível…

Dia de Poesia – Mia Couto – O beijo e a lágrima

Significado de Lágrima - Dicionário de Símbolos

Quero um beijo, pediu ela.

Um sismo
abalou o peito dele.
E devotou o calor
de lava dos seus lábios,
entontecida água na cascata.

Entusiasmado,
ele se preparou para, de novo,
duplicar o corpo e regressar à vertigem do beijo.

Mas ela o fez parar.

Só queria um beijo.
Um único beijo para chorar.

Há anos que não pranteava.
E a sua alma se convertia
em areia do deserto.

Encantada,
ela no dedo recolheu a lágrima.
E se repetiu o gesto
com que Deus criou o Oceano.