Texto de Ana Luiza Fireman – Mala d’estórias

Visão traseira de uma mulher idosa ativa relaxando na rocha e olhando para o pôr do sol na praia — Fotografia de Stock

 O tempo pode te rabiscar o rosto

Pode te pratear os cabelos

Mas não deixe que o tempo te apague o viço

Nem te adormeça o riso

Conserva teu jeito de olhar macio

Tua capacidade de sonhar

Guarda em ti tuas vontades mais absurdas

Teus desejos infantis

Conserva tua poesia, teu amor proibido

Reserva também tua indignação, tua rebeldia

Guarda tua teimosia

Não te acomodes com as voltas do tempo

Renova-te a cada manhã, a cada pão

Por dentro, não deixe o tempo te roubar a vida.