Quando

Foi quando eu chorei que pude, através das lágrimas,

enxergar mais claramente as ruínas de nós dois:

Foi quando eu tentei engolir em seco que as palavras

não ditas mais me fizeram engasgar e responder;

Foi quando eu busquei seu abraço e você já havia

partido que meus braços mais estreitamente se encontraram;

Foi quando eu precisei de um carinho que não existiu que

minhas mãos mais ternura quiseram levar até você;

Foi quando eu quase desisti de tudo que mais alto

minha vida gritou que ela valia a pena ser vivida;

Foi quando meu corpo vacilou no vazio da separação

que não mais encontrou o aconchego do seu corpo;

Foi, então, através da cortina de lágrimas que me turvavam

a vista, que pude ver que havia sido abandonada…

Se…

Se você surgisse como o sol dos meus dias

Trazendo luz e calor para aquecer minha alma

Eu poderia enxergar então uma realidade melhor

Mas você não surge, ah, meu amor, você não surge

 

Se você voasse comigo para outros mundos

Juntos conheceríamos a verdadeira felicidade

E nunca mais ficaríamos separados,

Mas você não voa comigo, meu amor, não voa comigo

 

Se você quisesse ser para sempre meu amor

E andarmos todos nossos caminhos de mãos dadas

Eu te cobriria de beijos e carinhos sempre,

Mas você não quer, meu amor, você não quer

 

Se você chegasse na minha noite de insônia

E me desse todo carinho até me adormecer

Colocaria cores e alegrias nos meus sonhos,

Mas você não chega, meu amor, você não chega

 

Se você viesse navegar comigo no meu barco

Eu te contaria todas as histórias das sereias

E te falaria o nome de todas as estrelas nas noites,

Mas você não vem, meu amor, você não vem

Só amor

Malgrado todas as dificuldades,

tantas lágrimas e tanta angústia,

a cada dia mais doce e mais forte

esse amor resiste.

 

Sempre que fraquejamos diante da vida,

e encontramos uma força insuspeita dentro de nós,

então temos a certeza que só seguimos adiante pois

esse amor existe

 

Às dores que suporta a cada dia,

ao peso que a vida sempre impõe,

sem vacilar, nem fender, sem se ausentar,

esse amor assiste.

 

Nossos sentimentos são feitos de quase nada

e se trincam, e se partem, e se confundem

mas é na firmeza – e não em desespero, no que

esse amor consiste.

 

Quando a tristeza chega e se instala

e pensamos que já não teremos saída, vemos

adiante a luz que que nos aguarda , pois com ela

esse amor coexiste

 

Os anos passando tão rapidamente

deixam um rastro de lembranças,

e a certeza de que vale lutar, porque

esse amor insiste.

 

E no longo caminhar rumo ao destino final,

vamos com alegria e determinação, sem medo,

avançando no suceder dos dias, com a certeza que

esse amor persiste

 

E quando se acaba o dourado outono,

e se aproxima o cinza inverno da vida,

podemos seguir confiantes no futuro porque

esse amor nunca desiste.

 

 

Nada

Nuvens sem fim, escuridão

O céu desaparece e o nada é imensidão

Luz sem vida de estrelas mortas

No âmago da inconstância

Indefinidas formas se encontram

A vida, finita por natureza

Não pode conter infinitos

Amores também nascem para morrer

Tudo o que floresce, fenece

Das correntes nos libertamos

Para nos atirarmos dos rochedos

E morrer no mar

Nada permanece, nada é eterno

Cada minuto diminui sessenta segundos de vida

Só insensatos não entendem essa realidade

A sede de viver é proporcional à consciência da morte

Certeza absoluta nesse oceano de incertezas

Quando chega um momento certo

Verdes e azuis se tornam marrons e cinzas

E até a natureza parece soçobrar

De tudo aquilo que fomos, vimos e amamos

Então nada restará

 

 

Escrever

Poeta não é somente o que escreve. É aquele que sente a poesia, se extasia sensível ao achado de uma rima à autenticidade de um verso. (Cora Coralina)

 

Escrever… escrever

Para escrever é preciso pensar. Pensar muito. Pensar concreto no papel através de conjuntos de letras.

Tentar, por escrito, a comunicação com os outros que não consegue pessoalmente.

Poeta ou prosador, despertar emoção latente em outras almas, mesmo que desconhecidas.  

Por que escrever? Por vaidade, por necessidade, para perpetuar a memória desse momento histórico em que vivemos. Através da escrita (e antes, ainda, através dos desenhos encontrados em cavernas) o homem vem deixando o testemunho de sua passagem pela Terra, possibilitando que se consiga entender as questões filosóficas mais básicas – o que somos, de onde viemos, para onde caminhamos…

E poesia, por que escrever poesias?

Para por sal na vida. Sem emoção a vida é muito insossa. A poesia traz amor, paixão, desejo, tristeza, separação, mas sempre dentro de um contexto de muita emoção. Também é um testemunho de um tempo, dinâmica, mostra o relacionamento do homem com suas próprias emoções.

Recordando Francisco Otaviano, “Quem passou pela vida em branca nuvem / E em plácido repouso adormeceu, / Quem não sentiu o frio da desgraça, / Quem passou pela vida e não sofreu, / Foi espectro de homem, e não homem, / Só passou pela vida, não viveu”

E emoção de quem escreve deve ser capaz de despertar a emoção de quem lê. Frutos de origens distintas, outras raízes, outras experiências, escritor e leitor, mas unidos na mesma emoção.

Por isso escrevo, por isso sou poeta. Por isso leio outros escritores e outros poetas.

E você, caro leitor, por que lê?

Do que é feita a saudade?

A saudade é feita de pequenos retalhos

De momentos felizes já passados e vividos

De beijos antigos ainda tão lembrados

De mãos que não nos tocaram, mas desejamos.

 

A saudade é feita de variados cacos

De recordações de olhos que nos viram

De tantas vozes que já não mais ouvimos

De muitos carinhos que agora já não temos

 

A saudade é feita de tantas lembranças

De pessoas que não ficaram em nossa vida

De algumas paixões ardentes que já esfriaram

 

A saudade é feita de todos esses pedaços 

De nossa alma que ficaram pelos caminhos

E agora, recolhidos, estão guardados no coração.