O infinito da saudade

Paina - ((o))eco

A saudade paira no ar, como a paina depois da floração. É o que resta depois do feitiço da paixão.

Cada pessoa carrega em si sua própria saudade – mas o caminho é igual para todos: construímos, cada qual, nossas memórias de felicidade, para dar origem à saudade.

Plantamos nossa árvore, cuidamos dela com carinho. Um dia, subitamente, ela amanhecerá coberta de flores, inundando nossos olhos com tanta beleza. Como a exuberância de uma paineira florida. E olharemos encantados, o florescer daquele amor cuidadosamente cultivado.

Mas o tempo, cruel, nada perdoa. As flores cairão. No entanto, nossos olhos registraram sua existência e para sempre guardaremos a imagem da explosão de cores e beleza que presenciamos.

Isso é a saudade: a imagem guardada na memória da felicidade que o tempo nos tirou.

Onde era a paisagem exuberante, hoje é apenas um vazio silencioso.

E o vento espalha a paina do lembrar no bailado infinito da leveza do que se vai para nunca mais voltar.

(Imagem: banco de imagens Google)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s