O rio e a vida

Ao nascer, um pequeno olho d’água, não sabe o que o destino lhe reserva. Pode ficar ali, contido, secando ao sol do dia, pequena e insignificante nascente, esquecida da sorte.

Outros, entretanto, correm para longe, formando cursos d’água, córregos e rios. Pequenos e grandes, ignorados ou importantes.

Alguns enfrentam vários obstáculos – pedras pequenas e grandes, montanhas, rochas. Mas não desistem. Cobrem algumas, contornam outras, desviam ou cavam, mas seguem adiante.

Nada detém seu desejo de crescer e chegar até o mar, destino final de todos.

Mais cedo ou mais tarde, irá encontrar o oceano. Sem ter ideia do que se trata, de sua dimensão.

E, nesse encontro, sentirá pavor de sua imensidão. Mas é tarde demais, não tem volta.

Então, o rio se entrega ao mar, suas águas se fundem e se tornam apenas um.

A cada fonte, seu destino.

Assim é nossa vida – todos nascem iguais. Nem todos sobrevivem. Os mais fortes são aqueles que enfrentaram os maiores desafios. E, no momento derradeiro, encaramos a morte. Que nos leva, nos funde, apaga nossa existência nesse mundo.