Texto de Miguel Esteves Cardoso – Alma gêmea

Como é que se reconhece a alma gémea? No abraço.

O coração pára de bater.

A existência é interrompida.

No abraço do irmão, do amigo, da amante, há sensação, do corpo, do tempo, do coração. Há sempre a noção dum gesto posterior.

No abraço de duas almas gémeas, mesmo quando se amam, o abraço parece o fim. Uma pessoa sente-se, ao mesmo tempo, protegida e protectora.

E a paz é inteira – nenhum outro gesto, nenhuma outra palavra, é precisa para a completar.

Pode passar a vida toda. Não importa.

Quando duas almas gémeas se abraçam, sente-se o alívio imenso de não ter de viver.

Não há necessidade, nem desejo, nem pensamento.

A sensação é de sermos uma alma no ar que reencontrou a sua casa, que voltou finalmente ao seu lugar, como se o outro corpo fosse o nosso que perdêramos desde a nascença.

(Imagem: banco de imagens Google)