Poesia da casa – Distância

Eu acreditava que distância era substantivo abstrato.
E que saudade também fosse algo abstrato.
Mas descobri que distância e saudade podem ser concretas.
Existem, machucam e causam dor.
Trópicos, rios, florestas e o tempo nos distanciaram, 
mas nada disso conseguiu nos separar.
Deito agora nessa rede na varanda e olho para o céu:
o sol que me iluminou nesse dia é o mesmo que agora te aquece.
A lua que não vejo mas sei existir talvez esta noite brilhará para você.
As estrelas que aqui eu vejo serão as mesmas que você verá.
Respiramos o mesmo ar. O mesmo céu nos cobre.
Essa saudade que me sufoca e umedece os  meus olhos
é a mesma que te traga e te incomoda.
É tão grande, tão intensa, que sinto poder tocá-la.
Ela existe, mora comigo, está em mim.
E toda essa distância, tão medida, tão concreta,
não nos pode separar nem trouxe esquecimento.
Nossos pensamentos nos levam um ao outro
e assim, juntos na distância, unidos na saudade,
esperamos pelo momento mágico de um reencontro.
Que virá. Que virá...

(Imagem: banco de imagens Google)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s