de mais Saudade

 

Lembranças doces que nos perseguem
Ausência de uma paixão que se esmaeceu no tempo
Presença constante da falta que alguém nos faz
Buscar no nada uma razão para a existência
Fazer da névoa da memória uma companhia
Olhar para as próprias mãos, agora vazias
Ainda com o perfume do amor compartilhado
De tudo que escorreu por entre nossos dedos
E não conseguimos reter em nossa vida,
Mas não tivemos jeito de tirar do coração.
Relembrar cada momento de doçura e encanto
Ouvir de novo a voz agora tão calada
Perder os contornos precisos e só ter um vulto
Como um barco que se afasta aos poucos do cais
Sentir de novo toda a ternura repartida
Ver caírem, uma a uma, as pétalas do amor
desfazendo a rosa vermelha da paixão
Saudade é o nome da solidão infinita
É a distância que insiste em ficar perto
É a certeza da perda, do não ter mais
É saber que o sonho acabou para sempre
É desejar morrer docemente dentro desse vazio