Recordações ao som de Le lac de Come

Acordes que trazem mais do que um passado – trazem, de volta à memória, toda uma vida.

Na sala da casa havia um piano. Alguém dedilhava Le lac de Come.

A algazarra cotidiana se acalmava, a música hipnotizava.

As crianças – mesmo na calçada – baixavam o tom das vozes; o barulho da cozinha cessava.

E, imersos na melodia encantada, sonhávamos.

De repente, uma porta batia. Era dentro de cada um, as portas que se fechavam e muitas delas se fechariam para sempre.

A porta da infância, a porta da família reunida, a porta da paixão ardente, a porta da ambição e a porta do próprio futuro.

Não estou mais naquela sala…

Essa porta também se fechou, mas, através dela e da memória imortalizada, ainda posso ouvir o som do piano.