Na estrada

  Não sei se passo eu por essa estrada
 Ou se é essa estrada que por mim passa
 No asfalto – tão cinza e tão feio
 Correm brancos riscos a meu encontro
  
 Nos dois lados troncos fazem cercas
 Cruzam rápidos, levando esticados
 Tantas linhas feitas de arame farpado
 Só para mostrar existir um limite invisível
  
 Poste e torres correm com seus fios
 Levam luz, levam calor, levam progresso
 E ainda levam as boas e as más notícias
  
 Cruzando com esses riscos brancos
 Passo eu por estrada que não tem fim
 Ou é ela, a estrada, que passa por mim? 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s