Dia de poesia – Ana Acto

O vento sibila nos arvoredos
Lá fora, onde o mundo vive
Meu silêncio se fez casa
Onde aconchegada
Adormeci meus medos 

Longe vai o confronto 
Sonoro e denso 
Que tornou minha paz em exílio 

E agora apenas o vento, atento 
Murmura para mim 
Suspiro e sorrio
Sim, agora é o tempo ...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s