Dia de poesia – Hoeppner Dutra – Melancolia

Minha alma respira espúmeos devaneios

do sal convulso que a tempestade dissipou.

Minha alma silencia sonhos alados

que a garoa doce e meiga afagou.

Minha alma andeja pelas doidas madrugadas

libando cismas nas neblinas fugidias.

Minha alma palmilha insônias perdidas

que o luar em ardente enlace lobrigou.

Minha alma é um punhado de tédio e de cal

Espargido em noites tristes de solidão.

(Imagem: banco de imagens Google)