Amanhecer

 

 

Alvorecer

A hora mágica em que a madrugada se esvai

E o dia ainda não chegou

As cores mais lindas da natureza se exibem

Orgulhosas entre a primeira claridade e os

Primeiros raios de sol.

A aurora, clara como a lua, se aproxima

E põe fim, então à madrugada.

 

Madrugada

Quando os pensamentos se encontram

E o poeta sofre e chora entre seus versos

Momento em que o mundo, buscando a paz, respira tranquilo

Não há cores. Apenas o escuro do céu e algumas

Luzes de estrelas que teimam em brilhar,

Procurando amantes desgarrados

Que ainda estão nas ruas

 

Madrugada

Fim das noites de tristeza ou de alegria

Fim das festas e dos velórios

A troca dos turnos dos dias

Que se revezam com noites imensas

Tudo faces da mesma moeda

Calmaria no silêncio da natureza.

 

Alvorecer.

Instante único em que a madrugada se veste de branco

E traz de volta a esperança da vida

O último momento antes do raiar do dia

A alvorada dos pássaros em algazarra

O despertar da vida até então em repouso

A vida voltando a acontecer

E a saudade da madrugada que se foi

 

Um comentário em “Amanhecer

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s