Lembranças

Há algumas décadas era moda fazermos uns “cadernos de lembranças” – era um caderno que passava de mão em mão na escola – colegas de classe e demais amigos. Cada um escrevia o que desejasse. Alguns colocavam belas citações, outros copiavam poesia, os poetas colocavam textos próprios…

Assim, há muito tempo, eu fiz o meu caderno. Encontrei-o, entre meus livros, um dia desses e me transportei para a fase da adolescência, quando éramos eternos e imortais. Dentre os escritos há um acróstico feito por um professor. Recordo-me que na época esse poema me emocionou. E agora, tanto tempo depois, senti emoção quando o reli:

 

Meus tempos idos de um feliz passado…

.

Acho nos versos que um tempo acabado

Lá bem distante na vida esqueceu.

Imerso em cores de tanta lembrança,

Comparo agora o tempo de criança,

E vejo então que quem mudou fui eu.

(A.L. Queiros, 1970)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s