Louca

Blog Cariri : Mendiga morre e deixa fortuna de R$ 2,33 milhões

“Lá vai a louca” todos dizem, alguns até com compaixão

Será louca, será sã, será lúcida? Como saber

Segue sem destino, sem ver e sem ouvir e sem falar

Mão crispadas, braços endurecidos, corpo curvado

“É louca”, repetem. Ela vai adiante, sem ter onde chegar.

Ela amou. Amou alguém apaixonadamente, mais que a si

Amou muito mais do que alguém já amou um dia

E esperou e acreditou. Por isso muito sofreu.

Para não ver sua partida, ela arrancou os olhos

E estourou os ouvidos para não ouvir o adeus.

Cortou a própria língua para não implorar que ficasse.

Seus braços e mãos se contraíram, para não mais abraçar

Calou na alma todos os tormentos, morreu por dentro

E desde então anda, a esmo, pelas ruas, calada, cega e surda.

“Ela é louca”, todos dizem. Mas ela não os ouve, sequer os vê

Mal pressente os perigos, escorraçada, por vezes apedrejada

Nada sente, nenhuma dor. Esgotou a capacidade de doer

De sentir, de chorar, de se lamentar. Nada lhe resta.

“É louca”. Não, não é mais louca. Agora é só uma coitada

Foi louca, sim, um dia em seu passado,

Louca quando amou mais do que devia.


 

Dia de poesia – Florbela Espanca – De joelhos

“Bendita seja a Mãe que te gerou.”
Bendito o leite que te fez crescer.
Bendito o berço aonde te embalou
A tua ama, pra te adormecer!

Bendita essa canção que acalentou
Da tua vida o doce alvorecer…
Bendita seja a Lua, que inundou
De luz, a Terra, só para te ver…

Benditos sejam todos que te amarem,
As que em volta de ti ajoelharem
Numa grande paixão fervente e louca!

E se mais que eu, um dia, te quiser
Alguém, bendita seja essa Mulher,
Bendito seja o beijo dessa boca!!

Texto de Vinicius de Moraes – Chorinho para a amiga

Se fosses louca por mim, ah eu dava pantana, eu corria na praça, eu te chamava para ver o afogado.

Se fosses louca por mim, eu nem sei, eu subia na pedra mais alto, altivo e parado, vendo o mundo pousado a meus pés.

Oh, por que não me dizes, morena, que és louca varrida por mim? Eu te conto um segredo, te levo à boate, eu dou vodca pra você beber! Teu amor é tão grande, parece um luar, mas lhe falta a loucura do meu.

Olhos doces os teus, com esse olhar de você, mas por que tão distante de mim? Lindos braços e um colo macio, mas porque tão ausentes dos meus?

Ah, se fosses louca por mim, eu comprava pipoca, saía correndo, de repente me punha a cantar. Dançaria convosco, senhora, um bailado nervoso e sutil.

Se fosses louca por mim, eu me batia em duelo sorrindo, caía a fundo num golpe mortal. Estudava contigo o mistério dos astros, a geometria dos pássaros, declamando poemas assim: “Se eu morresse amanhã… Se fosses louca por mim… “.

Se você fosse louca por mim, ô maninha, a gente ia ao Mercado, ao nascer da manhã, ia ver o avião levantar. Tanta coisa eu fazia, ó delícia, se fosses louca por mim! Olha aqui, por exemplo, eu pegava e comprava um lindo peignoir pra você. Te tirava da fila, te abrigava em chinchila, dava até um gasô pra você.

Diz por que, meu anjinho, por que tu não és louca-louca por mim? Ai, meu Deus, como é triste viver nesta dura incerteza cruel! Perco a fome, não vou ao cinema, só de achar que não és louca por mim. (E no entanto direi num aparte que até gostas bastante de mim…).

Mas não sei, eu queria sentir teu olhar fulgurar contra o meu. Mas não sei, eu queria te ver uma escrava morena de mim.

Vamos ser, meu amor, vamos ser um do outro de um modo total? Vamos nós, meu carinho, viver num barraco, e um luar, um coqueiro e um violão? Vamos brincar no Carnaval, hein, neguinha, vamos andar atrás do batalhão? Vamos, amor, fazer miséria, espetar uma conta no bar?

Você quer quer eu provoque uma briga pra você torcer muito por mim?

Vamos subir no elevador, hein, doçura, nós dois juntos subindo, que bom! Vamos entrar numa casa de pasto, beber pinga e cerveja e xingar? Vamos, neguinha, vamos na praia passear? Vamos ver o dirigível, que é o assombro nacional? Vamos, maninha, vamos, na rua do Tampico, onde o pai matou a filha, ô maninha, com a tampa do maçarico? Vamos maninha, vamos morar em jurujuba, andar de barco a vela, ô maninha, comer camarão graúdo?

Vem cá, meu bem, vem cá, meu bem, vem cá, vem cá, vem cá, se não vens bem depressinha, meu bem, vou contar para o seu pai.

Ah, minha flor, que linda, a embriaguez do amor, dá um frio pela espinha, prenda minha, e em seguida dá calor.

És tão linda, menina, se te chamasses Marina, eu te levava no banho de mar. És tão doce, beleza, se te chamasses Teresa, eu teria certeza, meu bem.

Mas não tenho certeza de nada, ó desgraça, ó ruína, ó Tupá!

Tu sabias que em ti tem taiti, linda ilha do amor e do adeus? tem mandinga, tem mascate, pão-de-açúcar com café, tem chimborazo, kamtchaka, tabor, popocatepel? tem juras, tem jetaturas e até danúbios azuis, tem igapós, jamundás, içás, tapajós, purus! – tens, tens, tens, ah se tens! tens, tens tens, ah se tens!

Meu amor, meu amor, meu amor, que carinho tão bom por você, quantos beijos alados fugindo, quanto sangue no meu coração!

Ah, se fosses louca por mim, eu me estirava na areia, ficava mirando as estrelas. Se fosses louca por mim, eu saía correndo de súbito, entre o pasmo da turba inconsútil. Eu dizia : Woe is me! Eu dizia: helàs! pra você…

Tanta coisa eu diria que não há poesia de longe capaz de exprimir. Eu inventava linguagem, só falando bobagem, só fazia bobagem, meu bem. Ó fatal pentagrama, ó lomas valentinas, ó tetrarca, ó sevícia, ó letargo!

Mas não há nada a fazer, meu destino é sofrer: e seria tão bom não sofrer.

Porque toda a alegria tua e minha seria, se você fosse louca por mim…

Mas você não é louca por mim… Mas você não é louca por mim…

dengue X covid

Pavor com coronavírus cresce, mas o perigo maior está em nosso ...

Minha amiga me manda uma mensagem – está com dengue.

A cidade está com mais de 20.000 casos de dengue. Mas não importa. A doença é nativa, baixa letalidade, e não há verbas extras para seu combate. Ninguém ganha nas costas do mosquito da dengue.     

E, no mesmo período, são 12.000 casos de covid19. Esse dá holofotes. Dá verbas para serem gastas sem licitação. É uma doença importada da china, média letalidade. Muitos ganham nas costas do coronavírus.     

Fique em casa. Continue em casa. É para seu bem.     

Mais de 2.000 empresas já fecharam as portas definitivamente nesta cidade. Não é pouco. As cadeias produtora e empregatícia se ressentem. Há um inevitável efeito dominó. Quatro meses de isolamento horizontal. Tudo fechado.     

Quem sai é obrigado a portar máscara.     

E chegamos à conclusão que as recomendações, medidas, portarias, decretos dos governos estaduais e municipais, as máscaras e o isolamento não surtiram efeito. Porque a peste continua atacando.     

E contra a dengue, o que se faz? Não há decretos, portarias, medidas, absolutamente nada.     

O mosquito da dengue reina soberano nos domínios da cidade. Faz vítimas e mais vítimas. Ninguém nota, porque alunos e professores não faltam às aulas por causa da dengue – TODAS as escolas estão fechadas há mais de 120 dias.     

As pessoas não faltam do trabalho por causa da dengue. As lojas, empresas, prestadoras de serviços, e tudo o mais está fechado. 

Ou seja, não está fazendo a menor diferença se tem gente com dengue ou morrendo de dengue.

Mas que morra em casa. Porque, se for para o hospital, fatalmente vai morrer de covid. Basta ler a lista diária dos mortos: …, 82 anos, diabetes, neoplasia / …, 74 anos, diabetes, doença pulmonar / …, 72 anos, doença renal crônica / …, 68 anos, doença neurológica …    

Ou seja: qual morreu de covid? Nenhum. Podiam estar COM covid quando morreram, mas as comorbidades que mataram.     

E a dengue, qual a desculpa?     

Terrenos sujos, canteiros de avenidas cheios de mato, caçambas, lixo, depósitos, tudo com água parada.

Sem falar nos imundos quintais particulares. E nas dezenas de depósitos de ferro velho.     

Mas tudo bem, deixa a dengue em paz, que implicância…

Vida de ostra

One closed oyster stock photo. Image of taste, cold, closed - 29504306

Fomos – todos nós – transformados em ostras.    

Se não formos alforriados desse isolamento idiota, acabaremos até mesmo produzindo pérolas.    

As ostras que estão machos deixam seus espermatozoides na água, onde são absorvidos pelas fêmeas para a fecundação (detalhe: ostras são hermafroditas, alternando seu gênero seguidamente). Os óvulos, uma vez fecundados, são expelidos em forma de larvas, e, amadurecendo, se fixam em um lugar. Dali nunca mais sairão.      

Se algo entra no interior da ostra e a irrita, ela irá se defender do invasor recobrindo-o com camadas de nácar (a conhecida madrepérola), isolando-o completamente de seu organismo. Isso será a valiosa pérola.    

Antes da peste chinesa nós vivíamos livres – ao menos aqui no Ocidente.      

Veio a doença e precisamos nos fixar em algum lugar e nunca mais sair.    

Muitos estão morrendo em sua prisão sem condenação. Assim, sua fixação em um lugar foi fatal.    

A falta de informações concretas e lógicas, a disseminação do pânico e alarmismo desenfreado levaram à histeria coletiva – todos se trancaram, fecharam-se em si mesmos, como conchas. Verdadeiras ostras.    

E, constantemente bombardeados pelas notícias negativas, pela convivência forçada, pelo medo do futuro que se mostra a cada dia mais inseguro, todos começaremos a produzir o nácar que nos blindará, isolando dentro de nós o desespero do confinamento compulsório, da falta de expectativas, da névoa pesada que se forma no horizonte de nossa vida.    

Só nos falta, mesmo, até o fim dessa situação-limite, começarmos a produzir pérolas…

Ostra feliz não faz pérola!

(Venço, hoje, meu próprio desafio, de postar por cem dias seguidos no blog. Pode não ter sido fácil, mas foi bastante divertido)

Viver e morrer

Dans l’Histoire des temps la vie n’est qu’une ivresse, la Vérité c’est la Mort. ( L.-F. Céline)

Seria a morte apenas o reverso da vida? da mesma forma que o lado cara de uma moeda jamais poderá ver o lado coroa, a vida e a morte nunca se poderiam ver nem encontrar?    

Ou a morte é a continuidade da vida em outro lugar, como acontece quando nos mudamos de cidade, e continuamos com a mesma vida, mas ao redor tudo se torna diferente?    

A morte é apenas o fim da vida, ou o começo de outra existência, da mesma forma que a fase borboleta sucede a fase crisálida?  

A vida só vai até a morte. E a morte, é para sempre?    

O que é a morte? Ou melhor, o que é a vida?    

O que vale mais a pena – viver ou morrer?    

Tudo o que se faz na vida é provisório – o trabalho, o amor, a moradia, porque a morte virá. E na morte, tudo é definitivo?    

Em um momento você está aí, hígido, alegre, trabalhando, pensando, comemorando. Daí a instantes, dentro do conceito tempo infinito, está morto, cremado ou enterrado em um caixão. Você só está vivo até morrer. Mas estará morto para sempre.    

A vida, nesse conceito do infinito, seria, então um lampejo, um breve instante, porque todos passam mais tempo morto do que vivo.    

Talvez a vida fosse, então, como um aperitivo, uma avant-première, para se ter uma ideia do que é viver. Porque, na verdade, estão, todos, sendo preparados para morrer. 

E alguns sequer aproveitam essa prévia que nos é graciosamente concedida. Não vivem por medo de morrer.    

Respiram o mínimo possível, comem o mais saudável possível, não bebem bebidas alcóolicas, não se entregam às paixões. Vivem apenas para se guardarem para a morte.     

Ou nem vivem. Apenas esperam morrer. Alguns até se matam antes que morram.    

Sem consciência de que todos morrerão, quantos passam a vida acumulando bens, sem aproveitar o que a vida lhes oferece, apenas pensando em aumentar patrimônio. Sem entender que tudo ficará nessa Terra, para favorecer quem nunca fez nada para ter o sacrifício de uma vida não vivida.    

A vida é tão curta, tão frágil! Tem a duração e a resistência da chama de uma pequena vela. Começa a queimar no nascimento e não para até se extinguir na morte.     

Como uma onda do mar, que se desfaz e desaparece logo que arrebenta e se torna visível com suas espumas. Ou uma nuvem, feita de nada, que o vento espalha e some no céu azul sem deixar vestígios. 

Qualquer abalo, um mínimo sopro, e a chama se apaga. A vida se acaba subitamente. Não há meio de preservá-la ou prolongá-la.    

Se somos tão diferentes no curso da vida, a morte nos iguala a todos.     

Por isso, ame mais um pouco, apaixone-se mais intensamente, beba mais um copo, dê mais um sorriso.

Porque sempre pode ser o último.