Minhas dores

As minhas dores são tantas…

São dores que estão seladas:

As dores do corpo são chagas,

Da alma são mágoas passadas.

 

Diante da dor sinto medo

Mas me mantenho serena;

A dor me torna tão frágil,

O medo me faz tão pequena.

 

Sempre juntas nessa vida,

Das dores não me separo,

Assim eu vou caminhando:

 

Com minhas dores vivendo,

Eu, minhas dores cantando,

Em mim, minhas dores doendo…

Pressa

Hoje, apressada, vou postar um poema de Ronaldo Cunha Lima. Todos sabem que foi político paraibano. Mas, além de político, foi advogado, promotor de justiça, professor e um grande poeta:

Quando meus filhos disserem a meus netos

o quanto eu os amava

e quando meus netos disserem a meus filhos

que  guardam lembranças minhas

e de mim sentem saudade,

não terei morrido nunca,

serei eternidade.

 

E ainda:

 

Eu amo uma mulher que não existe.
Mas a vejo sempre,
conversamos muito
e lhe quero bem.
Tem muitas faces,
não sei seu nome
e, se nome tem.
Só sei que quando
eu estou triste,
ela então existe
e de repente vem
confortar-me a alma,
trazer-me calma
e me fazer bem.
E a quem me indaga:
– Que forma vaga
de amar alguém?
Eu nada escondo
e então respondo
como convém:
– É meu coração,
na solidão,
sem ter ninguém.