Tributo a Olga Savary (Belém do Pará, 21.05.1933, Teresópolis, 15.05.2020)

Nos últimos dias a arte brasileira sofreu perdas irreparáveis. O vírus resolveu ceifar nossos poetas Sérgio Sant’Anna, Marcus Vinicius Quiroga e, ontem a poeta e escritora Olga Savarys. Palavras forte, pensamento ordenado, sensualidade dosada, sua poesia traduz a alma feminina sem rodeios. Ela é eterna. Ela se eternizou em sua poesia.

 

Caiçuçáua

Sempre o verão
e algum inverno
nesta cidade sem outono
e pouca primavera:

tudo isto te vê entrar
em mim todo inteiro
e eu em fogo vou bebendo
todos os teus rios

com uma insaciável sede
que te segue às estações
no dia aceso.

Em tua água sim está meu tempo,
meu começo. E depois nem poder ordenar:
te acalma, minha paixão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s