Copos vazios

Colocou os dois copos sobre o granito frio da pia. Não conseguiu se afastar, ficou ali, como em transe, olhando para os copos vazios.

Delicadamente correu os dedos pelas bordas. E sentiu o cheiro do fim da bebida que ainda havia no fundo do copo.

Dentro de si também ainda havia o perfume do que se fora, de tudo o que sonhara, de um passado que agora estava definitivamente terminado. Quando o viu chegar não conseguiu conter uma alegria dentro do peito, acreditando que tudo voltaria a ser como antes. Não havia razão para se separarem. Mesmo ele estando errado, ela já o perdoara. Era mais importante mantê-lo em sua vida.

Conversaram muito. Ele admitiu que errara, que não devia ter se comportando como um moleque inconsequente, a ponto de destruir uma relação tão bonita. Estava visivelmente arrependido. Ela via crescer sua sensação que voltariam a ficar juntos.

Porém, a conversa tomou outro rumo.

E ele disse que nesses dias separados, pensara muito em tudo o que aconteceu, o que esperava ou não da vida, que na verdade repensara toda sua vida. E tomara uma decisão definitiva.

Estava indo embora.

Resolvera aceitar uma proposta que já pairava em sua vida há algumas semanas.

Portanto, viera apenas para se despedir porque não queria ir embora como quem foge. Não estava fugindo. Apenas recomeçando.

Terminou o whisky, deu-lhe um abraço e se foi.

Restaram na sala um coração cheio de dor e dois copos vazios…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s