De cinema

                                       Assisti – revi, ou, melhor dizendo revivi – ao filme Os Girassóis da Rússia. 

                                Uns quarenta e muitos anos desde que o vi a primeira vez e o encanto permanece. 

                                       A música – maravilhosa. A trama – algo realista, remete a um passado que não se sabe se visto ou vivido. 

                                    Posterior ao auge do neo-realismo do cinema italiano,do qual Vittorio de Sica, um de seus mestres, brindou o mundo com a história do casal Antonio-Giovana (Mastroiani e Loren), num filme onde a poesia visual impera. 

                                             

 

                                        Sem grande pretensão literária,  retrata a estória de um jovem casal apaixonado que é separado pela segunda guerra. 

                                            Ele vai combater na Rússia. Não volta. Mas também não é relacionado ente os mortos em batalha. 

                                               Buscando notícias ela consegue saber que ele foi visto pela última vez caído, extenuado, faminto e quase morto em um campo de neve.

                                            Ela parte para a Rússia em busca do marido.  Já madura, cabelos embranquecidos, não é mais a menina com quem ele se casou. 

                                                 Localizado,  ele sobreviveu.  Casou-se com sua salvadora e têm um filha. Ele, também, envelhecido. 

                                               O encontro que não acontece mexe com a vida dos dois. Tira completamente a paz de Antonio. E devolve a vida a Giovana. 

                                                     Quando – em Milão – acontece o encontro de ambos, dá-se o rompimento. Percebem que ainda se amam, mas a vida os separou irremediavelmente. Ela, entre lágrimas, o vê partir novamente – e para sempre – para a Rússia. Ele, arrasado, novamente a vê ficar em lágrimas na estação. Por amor se separam definitivamente.

                                                    Esse roteiro mostra o vazio deixado pela guerra na vida das pessoas. 

                                                  O filme, realizado de uma forma que era comum não só a de Sica, mas ao neo-realismo italiano, é feito com centenas de figurantes, pessoas comuns, idosas, que vivem nas pequenas cidades italianas, enfrentaram as privações das guerras, mostram no rosto como a vida lhes foi dura e a sorte cruel. 

                                               Mas tem um lado positivo – mostra, no cinema, a vida real, onde nem tudo dá certo e o fim não é açucarado como a falsa vida que o cinema americano vendeu ao mundo e criou uma geração de insatisfeitos e frustrados. 

                                             Porque a vida é feita de sofrimento e este pode não ter fim. O happy end só existe nos filmes americanos, na maioria bobos e vazios. 

                                             O realismo do cinema europeu muitas vezes funciona como um soco, assusta. Você é obrigado a parar, a sentir a dor da pancada moral.

                                             Mas nos faz crescer,  e aceitar melhor a vida,  com toda a carga negativa que ela nos traz.

                                          Por isso rever, tantas décadas depois, este belo e poético filme, foi um bálsamo, ver que a luta vale por si mesma, não pelo podium final

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s