Felicidade e o sofrer

                             

Meu amigo poeta se diz triste, muito triste. Posta em seu blog poesias lindíssimas, inspiradas em sua tristeza. 

As músicas que mais emocionam são aquelas que versam sobre a tristeza, o desencanto, a desilusão, a perda; os filmes mais vistos e lembrados são os mais tristes. 

E no entanto vivemos em uma busca infinita pela felicidade. 

Que não vende jornais, não aparece no noticiário da TV, não prende telespectador de novela… 

Paradoxal o ser humano. Será que gosta de sofrer? Ou gosta que os outros sofram? Então por que buscar tanto a tristeza para as horas de lazer?

Em seu livro WERTHER, diz o autor Goethe, no prefácio: “E a ti, homem bom, que sentes as mesmas angústias do desventurado Werther, possas tu encontrar alguma consolação em seus sofrimentos!” 

Será então que ao ver outro sofrer ainda mais profundamente o sofredor encontra algum consolo, sente diminuída a própria dor? O abraço dos sofredores acalma a ambos, quando os dois corações contritos se encontram e batem em sintonia por alguns segundos? 

O que é sofrer? A dor física, o abandono afetivo, o desvalimento emocional, a fome, a sede, a miséria… como definir o sofrer em uma palavra ou ideia? 

Em seu pensar Platão já afirmava que a felicidade tem muitas faces, é o calor para quem tem frio, o alimento para o esfaimado, o aconchego para o abandonado… então concluo que o sofrimento também pode se apresentar sob muitas formas. 

Ideia corrente é que rico não sofre. Nada mais falso.

 O dinheiro em si não é causa nem de sofrimento nem de felicidade. O que o dinheiro pode comprar é fonte de conforto, proteção, distração. Mas isso seria felicidade? 

O que o dinheiro não pode comprar não está à disposição de ninguém em particular: o amor, o afeto sincero, a companhia, o aconchego, a ternura… mas tudo tão efêmero que dura o tempo de uma noite de verão na nossa vida.  

Se não sofremos não damos valor à felicidade. Quando estamos felizes também não damos valor à felicidade, pois a pomos a perder tão levianamente como se fosse o cachorro, que mesmo batido volta para lamber a mão do dono.

Na verdade acho que não sabemos direito o que é a felicidade. Conhecemos mais o sofrer do que o ser feliz.

Mas a felicidade que se foi não volta mais. O momento vivido se perde no passado e se esgarça como uma musseline ao sol. Temos só o agora, este exato momento fugidio que quando nos damos conta de sua existência já desborda para o passado. 

Na verdade só temos futuro e passado. O presente é tão efêmero que não conseguimos retê-lo por frações de segundo. Ele não chega. Apenas passa por nós, na sua eterna viagem do futuro para o passado. 

Mesmo assim, com a vida passando tão ligeira por nós, insistimos em sofrer…

 

Só a leve esperança, em toda a vida,

Disfarça a pena de viver, mais nada:

Nem é mais a existência, resumida,

Que uma grande esperança malograda.
O eterno sonho da alma desterrada,

Sonho que a traz ansiosa e embevecida,

É uma hora feliz, sempre adiada

E que não chega nunca em toda a vida.
Essa felicidade que supomos,

Árvore milagrosa, que sonhamos

Toda arreada de dourados pomos,
Existe, sim : mas nós não a alcançamos

Porque está sempre apenas onde a pomos

E nunca a pomos onde nós estamos

(Vicente de Carvalho)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s